O que de mim faz parte?



Como um navio sendo conduzido apenas pelo vento e sem nenhum capitão, meu estado de espírito muda com o mais fraco dos gatilhos e isso é tão irritante, é tão irritante não saber  aonde está pisando, mesmo que a terra embaixo dos seus pés seja feita de você mesmo,como não posso saber o que de mim faz parte?
 Quer dizer,eu tenho consciência do meu coração,dos meus pulmões,das minhas veias e do meu sangue,mas é como se eu me visse de fora pelos olhos de outra pessoa e simplesmente não sabe o que está por dentro porque,por ser outra pessoa,estou presa nesse corpo e mente, então não posso saber o que se passa naquele outro corpo.
Tenho dificuldade de me classificar,de me dar um rótulo,mas há algo mais inútil do que um rótulo?Eles nos impedem de saber quem são as pessoas de verdade,e nos impedem de saber quem nós somos.
Acho que por usar muitos rótulos e muitas máscaras eu me esqueci de mim, perdi a essência,e agora está difícil de me encontrar, será que eu sou alguma dessas máscaras que tenho costume de usar?Qual desses sorrisos é o meu?
Quem se conhece e se aceita tem sorte, porque mesmo em um mundo caótico consegue estar em paz dentro de si mesmo, mas quem não faz ideia de quem é vive no caos permanentemente e as vezes parece sem saída

"—Maldição!—Suspirou—Como vou sair desse labirinto?"
(O general em seu labirinto)

Postagens mais visitadas deste blog

A vida e outras coisas

O monstro da procrastinação

A última a morrer