Resenha: A cidade do sol

livro a cidade do sol

Autor: Khaled Housseini
Pág:368

Sinopse:A Cidade do Sol - Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos.
Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: "Você pode ser tudo o que quiser." Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do "todo humano", somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos.

Minha opinião sobre o livro:
O livro tem duas personagens fortes, mulheres que suportam de tudo pra apenas continuar sobrevivendo,eu amo esse livro porque além de mostrar aspectos de outra cultura também reforça a força de um povo.

Personagens principais:

Mariam vivia isolada em uma casa com Nana porque era uma harami (filha ilegítima), durante os quinze anos que viveu com a mãe não foi a escola,pois sua mãe achava que como mulher a única coisa que ela tinha que aprender era a capacidade de suportar

Mariam amava o pai que a visita semanalmente,em um dia que teve mais coragem ela fugiu para ir ao encontro do pai.Então veio a decepção e sua inocência começou a ser arrancada,com uma atitude covarde o seu pai a deixou dormir ao relento com medo do que as pessoas e suas esposas iriam dizer se deixasse sua filha bastarda entrar.

Ao voltar para casa Mariam sentiu como a vida podia ser dolorosa e imprevisível.Sua mãe estava morta,e ela teve que ir novamente a casa de seu pai,só que dessa vez as portas foram abertas  e ela pode entrar,mas isso não a alegrava mais.

Jaliu acovardou-se mais uma vez diante da influência de suas esposas,deu Mariam em casamento à um homem de 45 anos.

A princípio a vida com Rashid não parece tão terrível ,mas assim que Mariam engravida e logo em seguida perde o bebê, Rashid passa a despreza lá e espanca-la.

Laila e Tariq são amigos desde sempre, mas com a chegada da adolescência se tornam mais do que amigos,e é através dos olhos deles que nos é apresentado um Afeganistão antes da guerra, que era um país de sol de crianças correndo e soltando pipas.

Laila sempre sonhou alto, sempre achou que a vida lhe reservava mais que casar e ter filhos,no entanto a guerra chegou e estragou os seus planos,a separou de Tariq e tirou os seus pais.

Desolada e totalmente sozinha Laila descobre em Mariam uma amiga e uma mãe, Juntas enfrentam coisas dolorosas e desumanas.

Essas duas são  mulheres incríveis, apesar de não serem reais,a história é bem real , porque muitas mulheres do Afeganistão ainda estão sujeitas a privação de direitos e violência.

Mas eu recomendo esse livro que apesar de ser um pouco triste, termina com um toque de esperança,mostra que podemos reconstruir nossas vidas, mesmo depois de uma guerra não há como esquecer o que passou,ou apagar as cicatrizes, mas a vida a esperança e a persistência de um povo guerreiro valem a pena.

É essa mensagem que o autor nos deixa ,e eu acho bem propício no momento atual do Brasil , não estamos em guerra mas a corrupção que vemos dia a dia na TV tem nos deixado tristes e com o estômago embrulhado,mas há esperança, aliás como sempre a esperança é a única coisa que nos resta.

Bom, é esse o significado desse livro pra mim,e espero que ele venha a significar algo para você também,deixe aí nos comentários o que achou da resenha desde já agradeço muito beijão 😘






Postagens mais visitadas deste blog

A vida e outras coisas

O monstro da procrastinação

Resenha Meu Coração e outros buracos negros